AES Brasil aprova oferta pública e pode captar até R$ 1,8 bilhão

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir




O conselho de administração da AES Brasil aprovou a realização de uma oferta pública de distribuição primária de ações, além de uma distribuição secundária, por parte do BNDESPar, numa operação que pode alcançar R$ 1,8 bilhão, considerando ações adicionais, tendo como base o fechamento das ações ordinárias na B3 no dia 17 de setembro, no valor de R$ 13,60.

Sem considerar as ações adicionais, o montante da oferta restrita pode alcançar R$ 1,264 bilhão. Participam da oferta instituições financeiras como Bradesco BBI, Itaú BBA, Credit Suisse, Banco Santander e HSBC, além de agentes de colocação internacionais desses bancos.

De acordo com a AES Brasil, o objetivo da oferta visa acelerar seu plano de crescimento, com foco na diversificação do portfólio por meio de fontes complementares à hídrica, além de potencializar a criação de valor para os acionistas.

Em comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a AES Brasil disse que a oferta consistirá na distribuição primária de 93 milhões de novas ações, enquanto a secundária será de até 39,554 milhões de ações de titularidade do BNDESPar, exclusivamente no âmbito da eventual colocação de ações adicionais, ou seja, até 42,53% do total de ações inicialmente ofertadas.

A AES Brasil possui um portfólio de ativos com capacidade instalada total de 4,4 gigawatts (GW), sendo 2.658,4 MW de fonte hídrica, 1.435,9 MW de geração eólica e 294,1 MW de energia solar. Além disso, a empresa tem em desenvolvimento parte de seu pipeline eólico e solar, ainda em negociação, que poderá adicionar até 1,5 GW de capacidade instalada.

Notícia



Crise do teto de gastos: Secretários do Tesouro e Orçamento pedem exoneração

A derrota da equipe econômica para a ala política do governo na mudança do teto de gastos para abrir espaço no Orçamento de 2022 para um auxílio de R$ 400 culminou com a demissão em massa dos principais técnicos que assessoravam o ministro da Economia, Paulo Guedes...