Ex-secretários e outras lideranças são cotados para substituir May no Reino Unido

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir


A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, anunciou nesta sexta-feira que deixará o posto em breve, deixando o comando do Partido Conservador em 7 de junho. Agora, deve haver uma dura disputa interna na sigla para saber quem será o sucessor de May, que terá como principal missão conduzir o país no processo de saída da União Europeia, o Brexit.

May disse que seguirá como premiê enquanto não for escolhido seu sucessor no comando do partido. Entre os cotados para o posto está Boris Johnson, ex-prefeito de Londres e também ex-secretário das Relações Exteriores. Johnson é um político popular e expressa visões mais duras sobre o processo do Brexit. Para analistas, um governo dele elevaria a chance de uma saída da UE sem acordo, a pior alternativa para a economia britânica, segundo as projeções. Johnson foi figura importante na campanha eleitoral do plebiscito de 2016 no qual o voto pela saída do bloco foi vencedor. Ele deixou a função de secretário das Relações Exteriores em julho do ano passado por divergências com os planos de May para o Brexit.

Um ex-secretário britânico para o Brexit, Dominique Raab também é cotado para ser o futuro premiê. Ele ficou no posto por um período relativamente curto, entre julho e novembro, saindo do governo também por divergências com May. Raab disse que se demitiu porque não poderia apoiar o acordo fechado por May com a UE. Aos 45 anos, é bastante crítico da abordagem da premiê sobre o tema.

Após a renúncia de Johnson, o cargo de secretário das Relações Exteriores foi assumido por Jeremy Hunt, outro cotado para ser o próximo premiê. Ele defendeu a permanência na UE em 2016, mas desde então mudou de ideia e tem dado declarações duras sobre o bloco, chegando a compará-lo recentemente à União Soviética. Aos 52 anos, Hunt também ocupou outros cargos no governo, como o de secretário de Saúde, e teve papel importante na organização da elogiada Olimpíada de Londres, em 2012.

O atual secretário de Interior, Sajid Javid, é filho de imigrantes de origem paquistanesa. Após uma carreira bem-sucedida como banqueiro, entrou na política ao ser eleito para o Parlamento, em 2010. Também chegou a defender a permanência da UE em 2016, mas desde então tem apoiado o Brexit. Nos últimos meses, ganhou proeminência na política local ao defender ações agressivas para reduzir o fluxo de embarcações com imigrantes e refugiados que chegam à costa britânica.

May foi a segunda mulher na história a ocupar o cargo de premiê do Reino Unido. Entre os cotados para substituí-la há outra mulher, Andrea Leadsom, de 56 anos. Ela pediu demissão do posto de líder da Câmara dos Comuns nesta semana, o que aumentou a pressão sobre a premiê. Chegou a concorrer em maio de 2016 ao comando do Partido Conservador, sem sucesso. Na ocasião, Leadsom acabou por retirar a candidatura, após ser alvo de críticas por sugerir que poderia se sair melhor no cargo porque criou filhos. May já comentou publicamente que ela e o marido tentaram, mas não conseguiram ter crianças. Leadsom é também uma defensora do Brexit e é vista por muitos como eficaz na liderança da Câmara dos Comuns em um momento difícil da política britânica.

Notícia



EUA têm impasse sobre orçamento para evitar paralisação do governo

Líderes do Congresso dos Estados Unidos e funcionários da Casa Branca discutiram nesta quarta-feira durante uma reunião sobre o orçamento, o que mostra dificuldades no caminho por um acordo para evitar mais uma paralisação parcial do governo ainda neste ano...