Polícia prende suspeito de ser mandante do assassinato da menina Vitória

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir


A Polícia Civil confirmou nesta quarta-feira, 22, a prisão do quarto suspeito de envolvimento na morte da estudante Vitória Gabrielly Guimarães Vaz, de 12 anos, sequestrada e morta quando saiu de casa para andar de patins, em junho de 2018, em Araçariguama, cidade do interior de São Paulo.

Odilan Alves, de 35 anos, comanda o tráfico de drogas na região e teria mandado sequestrar a irmã de um usuário de drogas que devia para ele. A garota é parecida com Vitória, que foi pega por engano. Segundo a polícia, quando descobriram o erro, os sequestradores decidiram matá-la.

Outras três pessoas já estão presas pelo crime, mas faltava chegar ao mandante. Odilan mora em Itapevi, mas mantém uma rede de distribuição de drogas em Araçariguama e outras cidades da região. Ele foi identificado a partir de informações de uma testemunha que está sob proteção do Departamento Estadual de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP) de São Paulo. A testemunha tem uma irmã com as mesmas características de Gabrielly e devia R$ 7 mil ao traficante.

A prisão de Odilan e de outras quatro pessoas que trabalham para ele aconteceu nesta terça-feira, 21, em Itapevi. O traficante foi levado para a cadeia de São Roque.

Os outros três acusados de matar a menina, o servente de pedreiro Bruno Ergesse e o casal Bruno Oliveira e Mayara Abrantes, estão presos em Tremembé, no Vale do Paraíba. Os três negam participação no crime, mas devem ser julgados pelo tribunal do júri. O processo tramita em segredo de justiça no Fórum de São Roque.

O caso de Vitória mobilizou e comoveu a população de Araçariguama. Imagens de uma câmera mostraram a estudante de 12 anos andando de patins perto do ginásio de esportes, antes de desaparecer, no dia 8 de junho.

A polícia e os moradores se mobilizaram em buscas pela garota. O corpo foi encontrado oito dias depois, em um matagal, à margem de uma estrada rural. Ela havia sido amarrada antes de ser morta. O pedreiro, primeiro a ser preso, apontou o casal como executor do crime.

Notícia



Mourão defende atuação de policiais no caso Ágatha e questiona versão da família

O presidente em exercício, Hamilton Mourão, defendeu nesta segunda-feira, 23, a atuação de policiais no caso que resultou na morte da menina Ágatha Félix, de oito anos, alvo de um tiro de fuzil no Complexo do Alemão, na zona norte do Rio...