Manifestantes já ocupam a Avenida Paulista contra cortes na educação

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir


Manifestantes contra os cortes do governo Jair Bolsonaro (PSL) na educação básica e no ensino superior ocupam a Avenida Paulista na tarde desta quarta-feira, 15.

A Polícia Militar espera ao menos 10 mil manifestantes na Paulista. O número foi passado em uma reunião ocorrida na sexta-feira, 10, entre integrantes da APEOESP e agentes da CET, da GCM e da PM, na sede do 11° Batalhão da PM, na Rua Vergueiro. "O combinado é que uma das pistas da Paulista seguisse livre, mas a gente sabe como é, é difícil manter o controle.

A CET já bloqueou o trânsito da Paulista e os agentes da Rocam (os PMs de moto) estão ajudando a organizar o transito, disse o capitão da PM Roberto Adashi, oficial que lidera o acompanhamento da operação. Segundo Adashi, já está acordado que a passeata contra o presidente seguirá até a assembleia legislativa paulista.

Jovens com uniforme da escola, camisetas da Universidade em que estudam e pessoas usando adesivos com frases "eu luto pela educação" e "livros sim, armas não" já tomam parte das calçadas da avenida Paulista no início da tarde desta quarta-feira, 15. Eles caminham para a concentração do ato em defesa da educação no Masp.

Educadores e estudantes mudaram a rotina de quem trabalha pela avenida. Homens engravatados e de roupa social se deparam com grupos de estudantes cantando Palavras de ordem contra os cortes na educação e as políticas defendidas pelo governo Jair Bolsonaro. "Eles têm que defender as universidades e escolas mesmo é o futuro do País que esta em jogo. Fico feliz que eles estejam mobilizados", disse a comerciante Laís Paes do Carmo, de 35 anos.

Já o empresário Luis Gustavo de Lima, de 45 anos, não concorda com a manifestação por achar "exageradas as críticas ao governo". "Se gasta muito com universidades e políticas que não deram certo. Tem que cortar o dinheiro mesmo, o país está em crise", disse.

O professor Cláudio Fonseca (PPS), vereador paulistano que está no caminhão de som do Sindicato dos Professores, diz que a ideia é fazer uma série de discursos políticos de partidos e sindicatos contra os cortes na educação. "Depois, a ideia é ir até a Assembleia Legislativa, descendo pela (Avenida) Brigadeiro (Luís Antônio) até o Ibirapuera


Convocação

Pelo menos 75 das 102 universidades e institutos federais do País convocaram protestos para esta quarta-feira, em resposta ao bloqueio de 30% dos orçamentos determinado pelo Ministério da Educação (MEC). Eles terão apoio de universidades públicas estaduais de diversos Estados - incluindo São Paulo, onde os reitores de USP, Unicamp e Unesp convocaram docentes e alunos para "debater" os rumos da área.

Um dos alvos do protesto, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, disse na terça-feira, 14, que as universidades precisam deixar de ser tratadas como "torres de marfim" e não descartou novos contingenciamentos.

Notícia



Suspeito de matar morador de rua em Santo André é procurado em Santa Catarina

A Polícia Civil de São Paulo emitiu um alerta no início desta semana às forças de segurança catarinenses sobre uma possível fuga do empresário Marcelo Pereira de Aguiar, de 36 anos, para o Estado da região sul...