Em reunião com CNBB, Haddad promete revogar reforma trabalhista e teto de gastos

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir


O candidato à Presidência da República pelo PT, Fernando Haddad, esteve nesta quinta-feira, 11, na Conferência Nacional dos Bispos (CNBB), em Brasília, reunido com o secretário-geral da instituição, Dom Leonardo Steiner, para ouvir as demandas dos católicos e se comprometer com a entidade, caso seja eleito.

"Dom Leonardo reiterou nota da CNBB sobre medidas do governo atual como a chamada teto de gastos e a reforma trabalhista", disse. "Me comprometi no primeiro momento a revogar essas medidas que, na minha opinião, comprometem os direitos sociais", afirmou o ex-prefeito.

Haddad também fez um pedido à CNBB para que a instituição recomende aos católicos que tenham mais cuidado com as notícias falsas, as chamadas fake News. "Não devemos atacar a honra das pessoas com informações falsas", alertou.

O petista afirma ser atacado por Jair Bolsonaro(PSL), que diz que o petista distribuiu material impróprio para crianças, o chamado "kit gay". "Jamais houve distribuição de material impróprio para crianças. Isso seria um desrespeito com professoras e diretoras", afirmou.

Ainda sobre o adversário, Haddad criticou a ausência do capitão reformado em debates e o aceno dele ao programa social Bolsa Família. "Se tem alguém que criticou o Bolsa Família nos últimos 10 anos, foi o meu adversário", disse.

Haddad falou sobre os apoios que sua candidatura está recebendo e disse que as "forças democráticas estão se unindo". O candidato afirmou que todos os governadores eleitos do PSB já estão engajados. "Tivemos a felicidade de ter o apoio formal do PDT, do Ciro (Gomes)", disse. Ele foi interrompido nessa hora por um jornalista que disse "crítico, não é?". "Todo apoio é crítico", respondeu. "O Ciro está se recuperando de uma cirurgia e, para nós, uma palavra dele basta".

Em relação à última pesquisa Datafolha divulgada nesta quarta-feira, 10, que mostrou o candidato do PT com 42% das intenções de votos válidos no segundo turno, Haddad disse acreditar que pode crescer nas próximas semanas e chegar a 50%, já que começou a campanha com 4%.

Ainda na CNBB, o candidato ao Planalto disse que tratou de cinco demandas dos católicos que devem ser aprimoradas em seu programa de governo, que são a escalada da violência, fortalecimento das instituições democráticas e das de combate à corrupção, além da preservação do meio ambiente e da vida. Essa última, apesar de não ter sido citado pelo candidato, é uma referência ao aborto.

Haddad disse ainda que sua equipe está fazendo "ponderações" sobre nomes que podem compor seu governo, caso seja eleito.

Protesto

O candidato do PT daria uma entrevista em frente à CNBB, logo após o encontro, onde um grupo de jornalistas o aguardava. Porém, a entrevista teve de ser deslocada porque dois homens, vestidos com camisetas do candidato Bolsonaro, chegaram e começaram a protestar.

Por segurança, a equipe de Haddad decidiu mudar o local da entrevista. Os homens chegaram a seguir o comboio do petista por algumas quadras.

Notícia



Contra liberdade provisória, decano não adianta mérito sobre suspeição de Moro

Considerado voto decisivo no julgamento que culminou na manutenção da prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pela Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro Celso de Mello frisou nesta terça-feira, 25, que a posição expressada hoje, contrária a liberdade provisória do petista, não é uma antecipação de como irá votar futuramente sobre a atuação do ex-juiz Sergio Moro no caso triplex do Guarujá...