Previsão de déficit primário em 2018 cai para R$ 149,642 bi

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir


Depois de piorarem as previsões para o déficit primário no mês de junho, as projeções dos analistas de mercado ouvidos pelo Ministério da Fazenda em julho é de um déficit um pouco menor neste ano. De acordo com o boletim Prisma Fiscal deste mês, divulgado nesta quinta-feira, 12, pela Secretaria de Política Econômica (SPE) da pasta, a mediana das previsões para este ano passou de um rombo de R$ 151,192 bilhões, previsto em junho, para um déficit de R$ 149,642 bilhões. O valor está abaixo da meta de 2018, que permite um déficit de R$ 159 bilhões.

Em maio, antes da greve dos caminhoneiros e da criação de um programa de subsídio para o diesel, a projeção era de resultado negativo em R$ 138,543 bilhões.

Para 2019, os analistas projetaram um resultado negativo de R$ 123,288 bilhões, pior do que a previsão anterior de R$ 117,875 bilhões. A meta de 2019 permite um déficit de R$ 139 bilhões.

O Prisma deste mês também revisou para baixo as previsões do mercado para a arrecadação das receitas federais em 2018, com a estimativa retornando de R$ 1,445 trilhão para R$ 1,444 trilhão. Para 2019, a projeção para a arrecadação também caiu de R$ 1,552 trilhão para R$ 1,547 trilhão.

A estimativa para a receita líquida do governo central neste ano foi mantida em R$ 1,217 trilhão, enquanto para o próximo ano passou de R$ 1,303 trilhão para R$ 1,302 trilhão.

Já pelo lado do gasto, a projeção de despesas totais do governo central este ano passou de R$ 1,367 trilhão para R$ 1,366 trilhão. Para 2019, a estimativa passou de R$ 1,420 trilhão para R$ 1,422 trilhão.

A mediana das projeções dos analistas do Prisma para a Dívida Bruta do Governo Geral ao fim de 2018 passou de 75,8% do PIB para 76% do PIB. Para 2019, a estimativa, que estava em 77,8% do PIB, subiu para 78,10% do PIB no relatório desta quinta.

Curto Prazo

O Prisma também trouxe projeções fiscais para este e o próximo mês piores do que as de junho. Para julho, a previsão de superávit passou de R$ 19,007 bilhões para R$ 19,143 bilhões. Para agosto, a estimativa de déficit primário passou de R$ 16,490 bilhões para R$ 17,528 bilhões. A projeção para o mês de setembro é de déficit de R$ 24,650 bilhões ante previsão anterior de R$ 24,690 bilhões.

Notícia



Eletrobras: BNDES altera leilão da distribuidora Ceal para 28 de dezembro

A Eletrobras informou na manhã desta segunda-feira, 17, que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) estabeleceu mudanças no cronograma de desestatização da Companhia Energética de Alagoas (Ceal)...