Estamos em uma batalha comercial desagradável com a China, diz Trump

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir


O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou que trava uma "batalha comercial desagradável" com a China. Mais cedo nesta semana, o governo americano anunciou que pode tarifar mais US$ 200 bilhões em produtos chineses, em meio à disputa comercial bilateral.

Trump comentou o assunto durante entrevista coletiva em Bruxelas, que teve como foco a cúpula da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). Em suas declarações, o presidente americano também criticou a União Europeia, que trataria os EUA de modo "muito injusto" no comércio. Ele voltou a ameaçar impor uma tarifa sobre automóveis europeus vendidos em território americano, caso não ocorram avanços nesse quadro.

Após criticar a Alemanha pelo país ter firmado um acordo com a Rússia por um gasoduto, Trump afirmou que tem "muito respeito" pelos alemães e que mantém uma boa relação com a chanceler Angela Merkel.

Questionado sobre o encontro que deve ter com o presidente russo, Vladimir Putin, nesta semana, Trump disse que espera se dar bem com o colega. Segundo ele, ambos são "concorrentes, mas não inimigos", já que cada um naturalmente privilegia o interesse de seu país. Ele disse ainda que pretende questionar Putin sobre a suposta interferência dos russos na eleição presidencial americana. Afirmou também que a situação na Crimeia "não o agrada", após a Rússia anexar a península, mas lembrou que o episódio ocorreu no governo anterior dos EUA, de Barack Obama.

Trump afirmou ainda que acredita que, mais adiante, o Irã entrará em contato com o governo de Washington para buscar um acordo. Atualmente, os EUA ameaçam impor sanções contra o regime de Teerã, que devem prejudicar as exportações de petróleo iranianas. "O Irã nos trata com muito mais respeito agora do que no passado", disse.

Notícia



G-20 vê aumento da tensão comercial e pede mais diálogo entre países

O documento final da reunião ministerial do G-20, grupo formado pelos países mais ricos do mundo, que terminou neste domingo, 22, na capital da Argentina, reconhece o aumento da tensão comercial na economia mundial, alerta para os crescentes riscos dessas tensões e de questões geopolíticas para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) e pede que os países ampliem o diálogo...