Facebook é multado em mais de US$ 600 mil no Reino Unido

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir


O Facebook recebeu ontem sua primeira multa por ter permitido o uso ilícito de dados pessoais de 87 milhões de usuários da rede social pela consultoria Cambridge Analytica. Órgãos reguladores do Reino Unido anunciaram uma multa preliminar de cerca de US$ 664 mil - a máxima permitida nesse caso.

De acordo com a autoridade independente de proteção de dados do Reino Unido, a multa foi aplicada após a descoberta que o Facebook não tinha uma proteção de dados forte em 2016 e ignorou sinais que poderiam levar a empresa a impedir que a Cambridge Analytica tentasse manipular a opinião pública durante o referendo sobre o Brexit em 2016.

A divulgação da multa e dos motivos para aplicá-la rompe com o método adotado pela autoridade britânica, que usualmente não revela suas descobertas iniciais sobre os casos em investigação. O órgão avisou que deve anunciar nova atualização sobre o caso em outubro.

Por meio de comunicado enviado à imprensa, a diretora global de privacidade do Facebook, Erin Egan, disse que a empresa "deveria ter feito mais para investigar as denúncias sobre a Cambridge Analytica e tomado providências em 2015".

A aplicação da multa representa a primeira grande repercussão negativa para o Facebook do escândalo sobre o uso ilícito de dados pessoais de usuários da rede social pela Cambridge Analytica.

Desde que as revelações sobre o caso vieram à tona, em março, o Facebook virou alvo de críticas e seu fundador e presidente executivo, Mark Zuckerberg, foi convocado a depor tanto no Congresso americano como no Parlamento Europeu. Além disso, investigações sobre a empresa nos EUA foram intensificadas. Contudo, houve poucas consequências práticas.

Notícia



EUA esperam que outros países paguem fatia justa por sua segurança, diz Trump

Em seu discurso na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) em Nova York, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta terça-feira, 25, que o país espera que outras nações "paguem uma fatia justa por sua segurança"...