Ozonioterapia só pode ser usado em caráter experimental, define CFM

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir


O Conselho Federal de Medicina (CFM) publicou nesta terça-feira, 10, uma resolução que define a ozonioterapia como um procedimento que só pode ser realizado em caráter experimental. Com a decisão, os médicos só poderão realizar esse tipo de técnica em estudos, sob os critérios definidos pela Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep).

A ozonioterapia consiste na aplicação de uma mistura de oxigênio e ozônio, por diversas vias de administração, com indicação para tratamento de problemas circulatórios, doenças causadas por vírus, feridas infeccionadas, terapia complementar para diversos tipos de câncer e diversas outras aplicações. Para o CFM, porém, a técnica não tem fundamentação científica.

A resolução foi publicada pelo CFM dois dias depois da veiculação de uma reportagem sobre a ozonioterapia no programa Fantástico, da TV Globo. Segundo o documento, porém, a resolução se baseia em decisão tomada em plenária no dia 20 de abril, que aprovou o parecer 9/2018, assinado no dia anterior, sobre um pedido de análise de evidências científicas da utilização clínica da técnica pleiteado pela Associação Brasileira de Ozonioterapia (Aboz).

No parecer, o CFM conclui que "este procedimento é experimental devido à falta de evidências científicas baseada na revisão sistemática da literatura para o seu uso na prática clínica" e que "há elevado grau de incerteza quanto à eficácia do procedimento".

O parecer conclui ainda que "há ausência de benefícios nos prováveis efeitos da sua utilização clínica quando comparada aos tratamentos já consagrados em uso" e que há "evidência de estimativa de dano aos pacientes submetidos à ozonioterapia".

Com base nesse parecer, a nova resolução do CFM considera a ozonioterapia como procedimento experimental para a prática médica, "só podendo ser realizada sob protocolos clínicos de acordo com as normas do sistema Conep, em instituições devidamente credenciadas".

Notícia



Arquivo Nacional não corre risco de incêndio, diz ministro da Justiça

Após visita ao Arquivo Nacional nesta terça-feira, 25, o ministro da Justiça, Torquato Jardim, e o comandante do Corpo de Bombeiros do Rio, Roberto Robadey, garantiram que os prédios da instituição, de guarda de documentos raros da história do Brasil, como o original da Lei Áurea (1888) e os autos dos inconfidentes mineiros, não apresentam risco iminente de pegar fogo...