Confira como foi o resgate dos meninos presos em caverna na Tailândia

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir


O resgate dos 12 meninos de um time de futebol e seu treinador chegou ao fim nesta terça-feira, 10. Confira como foi cada dia desde que o grupo desapareceu no complexo de cavernas Tham Luang, no norte da Tailândia.

23 de junho

Depois de um treino matinal, 12 membros da equipe Javalis Selvagens e seu treinador vão de bicicleta até a caverna Tham Luang. Uma chuva forte começa depois que o grupo já está dentro do local. Quando nenhum dos meninos volta para casa depois de escurecer e não podem ser contatados, seus pais relatam que estão desaparecidos. Uma operação de busca começa por volta da meia-noite e encontra as bicicletas estacionadas e trancadas na entrada da caverna.

24 de junho

Equipes de resgate locais encontram chuteiras e mochilas deixadas pelos meninos perto da entrada da caverna.
25 de junho

À medida que a busca se expande, impressões digitais e pegadas atribuídas ao grupo são encontradas dentro da caverna. Os pais, em vigília do lado de fora, começam a realizar orações.

26 de junho

Cerca de uma dúzia de marinheiros tailandeses e outros socorristas entram na caverna. O ministro do Interior da Tailândia, Anupong Paojinda, diz que a água lamacenta encheu algumas câmaras subterrâneas até o teto, dificultando o trabalho dos resgatistas.
27 de junho

Chuvas atrapalham esforços de busca, inundando passagens da caverna mais rápido do que a água é bombeada para fora. Uma equipe militar americana e especialistas britânicos participam da operação.


28 de junho

A água começa a ser drenada a partir de perfurações na montanha. A busca por outras entradas para a caverna é intensificada, já que o mergulho é temporariamente suspenso por questões de segurança.

29 de junho
O primeiro-ministro tailandês, Prayuth Chan-ocha, visita o local e pede aos parentes que não percam a esperança. Trabalhos para drenar a caverna fazem pouco progresso.

30 de junho
Chuva para e diminui a inundação, permitindo a retomada do esforço de resgate. Mais especialistas de diversos países tomam parte na missão. Antecipando a localização dos meninos, uma operação de socorro é planejada para determinar como os garotos serão enviados ao hospital depois de saírem da caverna.

1º de julho
Os mergulhadores avançam pela passagem principal e estabelecem uma área de preparação no interior. Mergulhadores de elite da Tailândia chegam a uma curva, depois de um quilômetro, onde a passagem se divide em duas direções.

2 de julho
Dois mergulhadores britânicos localizam os meninos desaparecidos e seu treinador.

3 de julho
Os vídeos são divulgados e mostram os meninos se apresentando, juntando as mãos em uma saudação tradicional tailandesa.

4 de julho
Mergulhadores tailandeses e um médico se juntam aos garotos com comida e remédios. São discutidas opções de retirada, se as crianças devem sair com os mergulhadores ou mantidos até que as condições melhorem.

5 de julho
Os meninos começam a ter aulas de mergulho. Aumentam os esforços de drenagem para diminuir os níveis de água na caverna.

6 de julho
Autoridades indicam que preferem tirar as crianças o mais rápido possível, temendo aumento das inundações. A preocupação aumenta conforme caem os níveis de oxigênio. Um mergulhador tailandês morre durante uma missão.

7 de julho
Autoridades sugerem que a retirada será feita nos próximos dias por conta das previsões de tempestade. No entanto, afirmam que as habilidades de mergulho das crianças ainda não são suficientes.

8 de julho
O líder da operação declara que o "Dia D" chegou e anuncia o início dos trabalhos para resgatar os meninos e seu treinador. Mergulhadores retiram com sucesso as primeiras quatro crianças.

9 de julho
Mais quatro garotos são resgatados, elevando para 8 o número de sobreviventes. Quatro meninos e o treinador permanecem na caverna.

10 de julho
No terceiro dia de resgate, mergulhadores retiram as quatro crianças e o treinador, dando fim à angústia de duas semanas.

Notícia



EUA esperam que outros países paguem fatia justa por sua segurança, diz Trump

Em seu discurso na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) em Nova York, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta terça-feira, 25, que o país espera que outras nações "paguem uma fatia justa por sua segurança"...