Reino Unido dá 'passo inteiro adiante' com proposta do Brexit à UE, diz Merkel

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir


A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, afirmou nesta terça-feira que o Reino Unido dará "um passo inteiro adiante" no processo de negociação do Brexit ao submeter à União Europeia o chamado Livro Branco, que conterá os detalhes da proposta britânica para as condições que nortearão a relação com o bloco econômico após deixá-lo.

"Agora, trata-se de o processo de negociação (do Brexit) avançar e, por meio da apresentação do White Paper (como é chamado o Livro Branco em inglês), o Reino dará um passo inteiro adiante", declarou em coletiva de imprensa na Cúpula dos Bálcãs Ocidentais, em Londres, ao lado da primeira-ministra britânica, Theresa May, e do premiê da Polônia, Mateusz Morawiecki.

Merkel acrescentou que, uma vez de posse do documento, caberá aos demais 27 Estados-membros da UE, sob a liderança do presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, e do negociador-chefe do órgão para o Brexit, Michel Barnier, formar uma opinião sobre as sugestões do Reino Unido e reagir a elas "em uma resposta conjunta".

"Mas é bom que haja sugestões sobre a mesa. Isso posso dizer hoje, sem entrar em detalhes", comentou a alemã. "Agora, teremos discussões muito interessantes (com o governo britânico), mas sempre no espírito da amizade e no espírito de que, no futuro, seguiremos trabalhando bem juntos."

A democrata-cristã declarou ainda que fala pela Alemanha ao expressar que quer manter uma relação de proximidade com o Reino Unido após a saída da UE. "Acho que isso vale igualmente para todos os Estados-membros da União Europeia", arriscou a chanceler.

Acordo de Chequers

Ao lado de Merkel no púlpito posicionado para a coletiva de imprensa, Theresa May fez questão de reafirmar que o acordo firmado pelo seu governo na casa de campo de Chequers em torno da proposta para o Brexit que será apresentada à União Europeia mantém "absolutamente" a boa fé com o voto do povo britânico pela saída do bloco econômico.

"O acordo de Chequers, que detalharemos posteriormente nesta semana no Livro Branco, (...) trará um fim à livre movimentação de pessoas, um fim à jurisdição da ECJ (Corte de Justiça Europeia, na sigla em inglês) sobre o Reino Unido, um fim a enviar vastas somas de dinheiro todo ano para a UE e sairemos da política comum de pescadores e da política comum de agricultores da UE", enumerou a premiê.

May acrescentou, contudo, que todas essas condições devem ser cumpridas por um Brexit "suave e ordenado, que proteja empregos, proteja padrões de vida e também sustente o compromisso de não haver fronteira dura (entre) a Irlanda do Norte" e a República da Irlanda, que integra a União Europeia.

Questionada sobre o encontro vindouro com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que a premiê verá nos próximos dois dias na cúpula do Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), em Bruxelas, e posteriormente em visita do americano ao Reino Unido, May apontou que a temática comercial dominará as conversas entre ambos.

"Aguardamos com expectativa pelo tempo em que, após deixarmos a UE, estaremos hábeis, no período de implementação (do Brexit), a negociar e assinar acordos comerciais com o resto do mundo", comentou a premiê. "Estamos olhando não só para os Estados Unidos, mas para outras partes do mundo, como o interesse que expressamos sobre a TPP (na sigla em inglês), a Parceria Transpacífica", disse.

Notícia



EUA esperam que outros países paguem fatia justa por sua segurança, diz Trump

Em seu discurso na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) em Nova York, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta terça-feira, 25, que o país espera que outras nações "paguem uma fatia justa por sua segurança"...