Haddad: programa de governo do PT para eleições terá diversas propostas de PPPs

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir


O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad afirmou nesta quarta-feira, 30, que o programa de governo do PT para as eleições trará um plano com diversas propostas de parcerias público-privadas, entre elas a de substituir toda a iluminação pública do País por lâmpadas de LED.

"Isso vai economizar uma usina hidrelétrica de médio porte", afirmou Haddad ao participar de uma conferência organizada pela GO Associados. Segundo ele, essa PPP por si só teria impacto na geração de emprego, na segurança pública e na geração de investimentos. "Olha a beleza desse projeto", emendou.

Escalado como coordenador do programa de governo petista para a eleição deste ano, Haddad é tido como um dos principais nomes que poderiam substituir o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na cabeça de chapa para a corrida presidencial.

Haddad ponderou, entretanto, que um novo governo petista vai também trazer uma relação de obras para retomar o investimento público na economia. "Sou daqueles que pensam que o investimento público é necessário, no caso do Brasil ele é importante, e acaba puxando o setor privado", afirmou.

Haddad aproveitou para exaltar o ProUni, bandeira de sua gestão no Ministério da Educação, dizendo se tratar da "maior PPP já feita no País". E, segundo ele, o potencial das parcerias é muito mais amplo. "As PPS nem sequer começaram a mostrar seu potencial no campo da construção civil", exemplificou.

Haddad fez um aceno ao presidenciável do PSDB, Geraldo Alckmin, ao falar da PPP de habitação social implantada pelo governo de São Paulo. Segundo ele, a prefeitura paulistana, sob seu comando, apoiou inclusive financeiramente o projeto, "e vejam que eu sou do PT e o (Geraldo) Alckmin do PSDB."

Ainda ao elencar promessas, Haddad afirmou que o PT vai propor ainda a municipalização da Cide (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico). "Não há como exigir dos prefeitos planos decentes de mobilidade urbana sem assegurar uma fonte de receita estável."

Notícia