Tribunal do Peru repete rito brasileiro

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir


Um tribunal superior julga o ex-presidente investigado por suposto esquema de corrupção com uma empreiteira, e a sessão para analisar o pedido de habeas corpus tem placar empatado. Com grande expectativa pela decisão que pode até mudar a jurisprudência da Corte, a sessão precisa ser interrompida porque um ministro está na Europa em atividades relacionadas a uma instituição de ensino do Direito. Parece até que estamos falando de Brasília, mas tudo isso acontece a mais de 3 mil quilômetros da Praça dos Três Poderes.

Na última terça-feira, a máxima instância da Justiça do Peru, o Tribunal Constitucional, começou a julgar o habeas corpus da prisão preventiva do ex-presidente Ollanta Humala, acusado de receber propina de empreiteiras brasileiras.

A sessão, porém, teve de ser interrompida porque o plenário se dividiu: três votaram a favor da permanência do ex-presidente preso há nove meses e três declararam voto pela saída de Humala da prisão. Sem a presença do sétimo ministro, os demais magistrados debateram por mais de quatro horas para tentar chegar a uma maioria. O esforço, porém, não mudou o placar e o plenário concordou em esperar o retorno de Eloy Espinosa-Saldaña, que está na Espanha em atividades acadêmicas na Universidade de Valladolid e só retorna ao país em 25 de abril.

A situação tem uma série elementos coincidentes com o recente julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF) de ação do ex-presidente petista Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso na Lava Jato.

Em Brasília, ministros julgaram um habeas corpus e a decisão foi por 6 a 5 para negar o pedido. Em Lima, o HC é sobre uma prisão preventiva em curso, e a decisão também terá apenas um voto de diferença.

Uma das sessões anteriores à decisão do STF também teve um dos magistrados - o ministro Gilmar Mendes - ausente por viagem à Europa para tratar de atividades acadêmicas. Enquanto Espinosa-Saldaña está em Valladolid, no norte espanhol, Mendes foi Lisboa, em Portugal.
Da Espanha, o ministro peruano reclamou da interrupção da votação e disse que, antes de viajar, entregou um envelope com o voto por escrito do caso Hulanta para o presidente da Corte, Óscar Urviola.

O magistrado, porém, preferiu ignorar o voto porque o relatório apreciado pelos colegas no plenário teve algumas mudanças em relação ao texto original avaliado pelo ministro que está na Espanha.

Se Espinosa-Saldaña votar pelo não, o ex-presidente e a esposa Nadine Heredia continuarão na prisão até a decisão da Justiça sobre o caso que investiga recebimento ilegal de dinheiro para as campanhas eleitorais de 2006 e 2011. Se votar pelo sim, Humala e Nadine esperarão a decisão da Justiça em casa. Alguns juristas dizem que, além disso, a decisão criará jurisprudências na Corte peruana, como para o tratamento aos acordos de delação premiada.

A imprensa peruana até cogitou um bate-volta do ministro apenas para avaliar o texto revisado e declarar oralmente o voto. Em entrevistas, Espinosa-Saldaña rechaçou a ideia. "Eu já emiti o voto. Não faz sentido. É preciso decidir com urgência", disse à rádio RPP, sem emitir qualquer pista sobre o voto.

Nesse ponto, o Brasil teve um desdobramento diferente e Gilmar Mendes fez o esforço logístico do bate-volta de Lisboa para Brasília para participar da sessão e declarar o voto antes de retornar à capital portuguesa para o evento do Instituto Brasiliense de Direito Público em Portugal. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Notícia



STJ mantém filho da governadora de Roraima na prisão

O ministro Reynaldo Soares da Fonseca, do Superior Tribunal de Justiça, negou nesta sexta, 14, pedido de habeas corpus impetrado pela defesa do empresário Guilherme Campos, filho da governadora de Roraima, Suely Campos (PP)...