Grupo Alimentação e Bebidas recua 0,33% no IPCA de fevereiro, diz IBGE

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir


As famílias brasileiras pagaram menos por alimentação em fevereiro. O grupo Alimentação e Bebidas saiu de uma alta de 0,74% em janeiro para um recuo de 0,33% em fevereiro, segundo os dados do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O grupo Alimentação, que responde por 25% das despesas das famílias, passou de uma contribuição de 0,18 ponto porcentual para o IPCA de janeiro para um impacto negativo de 0,08 ponto porcentual sobre a inflação de fevereiro.

A alimentação consumida no domicílio saiu de um avanço de 1,12% em janeiro para uma redução de 0,61% em fevereiro. Os destaques foram as quedas nos preços das carnes (-1,09%) e das frutas (-1,13%).

A alimentação consumida fora de casa passou de uma elevação de 0,06% em janeiro para um aumento de 0,18% em fevereiro.

Transportes

O reajuste da passagem de ônibus urbano e o encarecimento da gasolina puxaram a alta de 0,74% nas despesas das famílias com Transportes em fevereiro, segundo os dados do IPCA.

A tarifa de ônibus urbano teve elevação de 1,90% em fevereiro, com destaque para o aumento de 6,38% em Goiânia. O litro da gasolina subiu 0,85%, com variações que oscilaram entre queda de 3,70% em Fortaleza e alta de 8,55% em Salvador. O etanol aumentou 1,42%.

O táxi ficou 1,73% mais caro em fevereiro, como reflexo do reajuste de 7,39% no Rio de Janeiro, em vigor desde 24 de janeiro.

Por outro lado, as passagens aéreas recuaram 3,26%.

O aumento das despesas das famílias com transportes em fevereiro foram responsáveis por 0,13 ponto porcentual da taxa de 0,32% registrada pelo IPCA no mês.

Notícia



'Guerra comercial é pior que juros altos', diz professor de Princeton e Columbia

Não houve grandes surpresas na decisão do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) de elevar a taxa de juros nos EUA e indicar que fará um total de quatro ajustes neste ano, avaliou o economista brasileiro José Alexandre Scheinkman, professor das universidades de Princeton e Columbia...