Juros estão praticamente estáveis antes do IPCA e do dado de emprego dos EUA

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir


Os juros futuros operam praticamente estáveis nesta quinta-feira, 8, diante do compasso de espera pela divulgação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de fevereiro e do relatório de emprego dos Estados Unidos, o payroll, ambos na sexta-feira, 9.

O pano de fundo dos negócios continua sendo a chance de mais corte da Selic este mês, de 0,25 ponto porcentual, para 6,50% e até uma sinalização de redução em maio. Há expectativas ainda pelo anúncio oficial da taxação das importações do aço e alumínio pelos Estados Unidos, possivelmente nesta quinta à tarde.

Pouco antes do fechamento deste texto, o presidente dos EUA, Donald Trump, sugeriu no Twitter que uma reunião das 17h30 (de Brasília) discutirá tarifas. A perspectiva é de que a cobrança de sobretaxas tenha início em 15 a 30 dias, após sua confirmação.

Nesta quinta, o Tesouro faz leilões de Letras do Tesouro Nacional (LTN) e Notas do Tesouro Nacional - Série F (NTN-F), às 11 horas. Essa operação costuma atrair ingressos de fluxo financeiro de estrangeiros.

Às 9h50, o contrato de DI para janeiro de 2020 estava a 7,35%, ante 7,36% do ajuste de quarta. Já o contrato de DI mais negociado, para janeiro de 2021, estava em 8,270%, ante 8,280% no ajuste de quarta.

Mais cedo foi divulgado que a inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor - Semanal (IPC-S), da Fundação Getulio Vargas (FGV) desacelerou para 0,13% na primeira quadrissemana de março. O resultado ficou 0,04 ponto porcentual abaixo do registrado na leitura imediatamente anterior, quando o indicador apresentou variação de 0,17%.

Notícia



'Guerra comercial é pior que juros altos', diz professor de Princeton e Columbia

Não houve grandes surpresas na decisão do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) de elevar a taxa de juros nos EUA e indicar que fará um total de quatro ajustes neste ano, avaliou o economista brasileiro José Alexandre Scheinkman, professor das universidades de Princeton e Columbia...