A moda dos blocos

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir


A febre dos blocos de carnaval, que têm tomado as capitais do País, fez surgir o fenômeno das "semi-fantasias". Entre as tendências estão o body e o maiô, que viraram espécie de uniforme entre as mulheres. As mais ousadas o vestem sem roupas complementares na parte de baixo. "Enxergamos uma mudança de comportamento muito grande nesta geração, que resgatou a tradição do carnaval de rua. É notório o aumento de blocos em todo o Brasil", diz Andrea Morales, diretora de produto da marca de roupa íntima Loungerie, que aproveitou o ensejo para criar sua primeira linha especializada.

De acordo com o Pinterest, plataforma virtual de referências visuais, as buscas pela palavra 'carnaval' aumentaram significativamente desde 2 de janeiro, mais de um mês antes do feriado - o termo mais buscado foi 'fantasia de carnaval', seguido de 'maquiagem de carnaval' -, e a quantidade de imagens relacionadas à data salva na rede pelos brasileiros aumentou em 1.100% em comparação com o ano passado. São Paulo se destaca como a cidade que mais buscou sobre esse conteúdo, aumentando a procura em 60%.

O crescimento pode ser atribuído à popularização dos blocos de rua nos últimos anos. Na cidade de São Paulo, por exemplo, a Prefeitura estima que sejam mais de 550 - 100 a mais do que no ano passado e 69% a mais do que em 2015 -, e, em Belo Horizonte, 120 blocos novos representam um aumento de 20% no ano.

De acordo com a C&A, o ano de 2017 foi especialmente focado em fantasias, mas, neste, a aposta foi em produtos mais versáteis, que vão de roupas a adereços de cabeça e pochetes - esta, aliás, uma grande tendência para a folia neste ano, junto com as casquetes. Entre as alegorias urbanas que desfilam pelas ruas, as mais populares remetem às figuras de sereia, unicórnio e estrelas.

As marcas independentes também ganham força, atraindo quem busca peças originais. É o caso da Dercy, que homenageia a humorista Dercy Gonçalves. "Não por acaso, a figura da Dercy Gonçalves é nossa principal inspiração. Símbolo de autenticidade, sempre à frente do seu tempo, Dercy tinha essa atitude debochada e personalidade transgressora', diz Alice Correa, sócia-proprietária da marca. Outro exemplo é a carioca Garimppo, que lançou neste ano sua segunda coleção de carnaval. "Nosso mês de janeiro foi tão bom quanto o de dezembro, que é sempre o melhor em vendas, graças à coleção de carnaval', diz Laryssa Camargo, gerente de marketing da etiqueta. O sucesso se repete na FARM, marca que propaga o estilo de vida carioca como seu DNA.

"O carnaval faz parte da nossa história. Fomos a primeira marca a ter uma coleção exclusiva de carnaval, e, todo ano, a ampliamos para fazê-la chegar em novas cidades. A demanda nos surpreende sempre', diz Taciana Abreu, gerente de marketing da grife, pontuando em 35% o aumento da linha em 2018.

Os looks de carnaval também vêm adquirindo um tom social. No carnaval, a rua se tornou espaço para protestos por meio de roupas, acessórios e até tatuagens temporárias. A marca independente Negoçada, por exemplo, incorpora o protesto colocando úteros bordados em seus bodies, além de patches com os dizeres "poder feminino'. No mesmo nicho, a PALA e a Kengá Bitchwear apostam em brincos com desenhos de símbolos do feminino e palavras de ordem.


As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Notícia



Gustavo Bertoni, na delicadeza do agora

Aquelas 80 pessoas, lotação máxima do Planetário de Brasília, não era um número expressivo como as 80 mil que estavam diante do Palco Mundo, o principal do Rock in Rio, na edição passada do festival...