PPS quer mudar estatuto para atrair movimentos cívicos

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir


O PPS quer mudar o estatuto interno para receber movimentos cívicos, como Agora!, Acredito, Livres e outros. Uma versão do documento já está circulando nesses grupos. Entre os pontos mais representativos estão a garantia de autonomia, a possibilidade de voto em questões internas da legenda (mesmo aos que não estiverem formalmente filiados) e a criação de um grupo de trabalho para constituir normas de relacionamento. As mudanças serão apresentadas no congresso nacional do PPS, que ocorre nos dias 24 e 25 de março, em São Paulo. A troca de nome da sigla também estará em pauta.

Desde o fim do ano passado, o partido presidido pelo deputado Roberto Freire (SP) tem estreitado relações com os chamados movimentos cívicos - muitos deles simpáticos a uma possível candidatura à Presidência da República do empresário e apresentador Luciano Huck. "Nossa relação com Huck independe da candidatura dele. Nossa relação se dá pelos movimentos cívicos, principalmente o Agora!. Aliás, nosso primeiro contato com Huck foi através do Agora!. Então, nossa parceria independe da candidatura presidencial", disse.

Freire ainda afirmou que, assim como outras instituições da sociedade, como os sindicatos e a própria família, os partidos também "precisam passar por mudanças profundas e se atualizarem". "Temos que pensar em avançar em direção ao futuro. Partidos são quase uma coisa do passado", disse. O deputado imagina uma organização menos verticalizada e mais organizada em redes, com uma dinâmica mais moderna.

A mudança de nome da sigla estará na pauta da reunião do partido se, até o fim de março, uma quantidade representativa de candidatos oriundos do movimentos estiver, como esperado, se filiado à legenda. O nome mais cotado até agora é "Cidadão" (que representaria melhor a ideia de um coletivo de movimentos). "A troca de nome pode acontecer se esses movimentos trouxerem uma mudança orgânica no partido. Se é pra continuar como estamos, não é preciso mudar de nome", afirmou Freire.

Além do PPS, a Rede é outro partido que tem conversas avançadas com os movimentos - e também deve absorver parte dos candidatos vindos desses grupos, dando autonomia aos seus integrantes. Ainda assim, o PPS aparece com mais força porque, em avaliações internas, os movimentos temem uma certa "instabilidade" da pré-candidata Marina Silva.

PSDB

A entrada desses movimentos seria uma opção mais "radical" dentro do PPS - principalmente se vier acompanhada de uma candidatura como a de Huck. Da forma como está estruturado hoje, o PPS é próximo, por exemplo, do governador Geraldo Alckmin (PSDB). Se decidir por outro caminho, como uma candidatura própria, a política de alianças da legenda deve mudar significativamente e alterar as relações com o PSDB. Do lado da Rede, independentemente dos movimentos, a candidata será Marina.

A assessoria de imprensa do Agora! disse que o grupo "está analisando o documento do PPS e da Rede", mas que "as parcerias só devem ser sacramentadas depois do carnaval". O coordenador nacional do Acredito, Zé Frederico, confirmou que o movimento tem mantido conversar com PPS e Rede. "Nós não somos contra os partidos. Estamos ouvindo o que eles têm a nos dizer e procurando aquele que se encaixe com as nossas ideias", afirmou.

O Agora! ainda discute a forma e os nomes que estarão à frente de suas candidaturas. Já o Acredito pretende lançar 30 candidatos ao Legislativo. A escolha será por meio de prévias realizadas dentro dos núcleos estaduais do movimento. A intenção é lançar apenas um candidato a deputado federal e três estaduais por região. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Notícia



Haddad sugere Mario Sérgio Cortella para Ministério da Educação

O candidato do PT à Presidência da República, Fernando Haddad, postou uma mensagem em seu perfil no Twitter nesta segunda-feira, 15, sugerindo o nome do filósofo e articulista Mario Sérgio Cortella para o Ministério da Educação...