Alimentação escolar de Tietê atinge nível de excelência

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir
Alimentação escolar de Tietê atinge nível de excelência
Foto: Divulgação

Alimentação escolar de Tietê atinge nível de excelência


A pedido do prefeito Vlamir Sandei, a Secretaria de Governo e Coordenação acompanhou de perto o dia a dia das unidades escolares. O foco foi a alimentação escolar e todo estudo que está por trás de cada prato servido, desde a Educação Infantil até o Ensino Médio (uma vez que a Prefeitura atende as escolas Plínio Rodrigues de Morais e Etec Nelson Alves Vianna). Isto, sem falar da merenda oferecida nas instituições Educandário Rosa Mística e Casa de Maria, que recebem alunos em contra turno.
O que se descobriu (e se comprova no anexo) é que o atendimento e o serviço prestado neste setor só tem recebido elogios. Prova disso é que a diretora da unidade escolar Professora Maria Carmela Rondó Macruz escreveu em um de seus relatórios “dentro dos meus 33 anos na rede municipal, esta é a melhor de todas as empresas”.
A referida empresa é a Angá Alimentação e Serviços, que no município, atua com 71 servidores, sendo quatro do quadro técnico, um auxiliar administrativo e 66 cozinheiras escolares, atendendo 34 pontos de distribuição que somam mais de 13mil merendas/dia.
Acompanhando todo esse processo está o nutricionista da rede Fernando Suster, que é o responsável técnico pelo programa de alimentação escolar no município e atua em atividades de fiscalização da terceirização, planejamento de cardápio e aprovação dos cardápios sugeridos em licitação. Além disso, cabe a este profissional aplicar teste de aceitabilidade de novas receitas, bem como do cardápio vigente. “Além desse atendimento, há também a preocupação de oferecer com a melhor qualidade possível cardápios especiais aos alunos que apresentam restrições alimentares. Caso de quem, por exemplo, apresenta alergia ao leite ou corante.”, acrescenta Suster.
Para esta reportagem, o nutricionista também falou sobre os cuidados com o Cirepem. “Lá, nossa atenção é ainda maior. Cada aluno é clinicado de forma individual. ”.
Outro destaque vai para a Educação Infantil, onde um sério trabalho de introdução alimentar é realizado. O foco, neste caso, é fazer com que os bebês desenvolvam o paladar, o que em prática significa que além da farta oferta de leite, são também oferecidas e incentivadas a experimentação de diversas papinhas de legumes e frutas.
Pela Angá, a coordenação fica por conta do Leandro Pascoli, que gerencia desde o trabalho executado pelas merendeiras até a fiscalização das nutricionistas da empresa. Pascoli também é o contato direto da empresa com a Prefeitura, uma vez que se responsabiliza por todos os produtos utilizados na merenda.
No dia a dia, chegam a ser oferecidas sete refeições na Unidade Escolar de Educação Infantil, sendo duas mamadeiras, uma colação (suco de frutas), um almoço, um lanche da manhã e um a tarde, além de mais uma mamadeira para quem fica após às 18h30.
Tudo feito com qualidade, mas também com muito carinho, dedicação e profissionalismo e, especificamente, sobre a competência no trabalho não faltam incentivos da empresa. A Angá tem vários prêmios para quem se dedica. Três supervisoras fazem auditoria em todas as escolas para verificar qual delas realiza o melhor trabalho em limpeza e higienização e apresenta a melhor comida, com melhor sabor e aroma. As melhores colaboradoras são premiadas com mais uma cesta básica no mês.
Há também o prêmio Merendeira Multiplicadora, onde a merendeira que mais se destaca no seu trabalho, se torna automaticamente uma multiplicadora de conhecimento, visitando as outras unidades escolares, orientando novas profissionais. A ela, é oferecido 10% de aumento no salário.
Em Tietê, a unidade escolar que mais se destacou e mais prêmio levou foi a Professora Zélia de Camargo Arruda. Vale lembrar também que a Prefeitura investe em cada aluno da Educação Infantil, que fica na escola em período integral, cerca de R$7,00 por dia e o repasse vindo do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) é de pouco mais de R$1,00. Mais uma prova de que os estudantes em Tietê são levados a sério.
Outra informação importantíssima é que Tietê nunca registrou caso de intoxicação alimentar na rede municipal, o que eleva a cidade ao topo, se comparada os municípios da região, onde casos já foram contabilizados. Isso se deve ao controle de qualidade que é amplamente difundido entre as merendeiras e altamente fiscalizado pelo nutricionista. “Para nós, servidores públicos, o trabalho vai além de dar comida. Queremos alimentar”, finaliza Suster.

Notícia



Conheça a história da professora Aparecida Fidelis Mazzer

Guerreira, professora de língua portuguesa, apaixonada por letras, querida por seus alunos e amada por todos os seus familiares Protagonista de uma história repleta de emoções, Aparecida conta sua batalha para sair da zona rural, progredir em seus estudos, ingressar na vida acadêmica, construir uma bela história de amor familiar e ainda continuar a dar aulas para seus alunos queridos e amados...