Barbosa afirma ser 'filosoficamente' a favor de candidaturas avulsas

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir


O ex-presidente do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa defendeu a adoção de candidaturas avulsas no País para combater o que chama de "caciquia" dos partidos políticos. "Sou filosoficamente a favor das candidaturas avulsas", disse na terça-feira, 10, Barbosa ao jornal O Estado de S. Paulo. "É mais democrático."

A possibilidade de uma pessoa não filiada a um partido se candidatar nas eleições, não admitida na recente reforma política que tramitou no Congresso, será ainda julgada pelo Supremo.

A Corte estabeleceu que o caso tenha repercussão geral, que é criação de uma jurisprudência para o entendimento do Judiciário sobre essa questão nas instâncias inferiores.

O STF poderá alterar este ponto do sistema eleitoral ao analisar recurso de autoria de um advogado que teve negado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) o registro de candidatura à prefeitura do Rio de Janeiro em 2016 sob o argumento de que a Constituição exige filiação partidária a candidatos.
Não há previsão de quando a ação será julgada, e Barbosa prefere não arriscar um palpite sobre a tendência do Tribunal. "Não gosto de fazer prognóstico", afirmou.

Nome sempre cotado para a corrida presidencial do ano que vem, Barbosa já havia se manifestado favoravelmente às candidaturas avulsas quando ainda ocupava a presidência do Supremo. Na ocasião, em 2013 - em meio às manifestações de rua que se espalharam por todo o País -, o então ministro disse que a democracia brasileira pecava "pela falta de identificação entre eleito e eleitor".

"Por que não permitir que o povo escolha diretamente em quem votar? Por que uma intermediação por partidos políticos desgastados, totalmente sem credibilidade? Existem algumas democracias que permitem o voto avulso, com sucesso."

O ex-presidente do STF já admitiu que recebeu "sondagens" e manteve conversas com a Rede - da ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva - e com o PSB, mas se diz "hesitante ainda" em decidir sobre uma eventual candidatura.

No Supremo, Barbosa foi o relator do processo do mensalão federal, que resultou, em 2012, na condenação e prisão de integrantes da cúpula petista.
Após se aposentar, ele passou a atuar como advogado focado na elaboração de pareceres e se tornou um crítico do impeachment da presidente Dilma Rousseff.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Notícia



Bolsonaro diz que Janaína pediu mais prazo para decidir sobre ser vice

Depois de um discurso contraditório de Janaína Paschoal sobre os ideais de Jair Bolsonaro (PSL), o presidenciável disse que a advogada do impeachment lhe pediu mais tempo para decidir sobre ser vice...