Menina morta em acidente com caminhão na zona norte de SP tinha 13 anos

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir
Menina morta em acidente com caminhão na zona norte de SP tinha 13 anos
Foto: Reprodução/TV Globo


Três garotas foram atingidas por um caminhão de bebidas que tombou na Avenida Raimundo Pereira de Magalhães, próximo à Estrada de Taipas, na zona norte de São Paulo, na manhã desta terça-feira, 12. A estudante Júlia Maria Firmino, de 13 anos, morreu por volta das 7 horas.

Júlia e mais duas amigas, ambas de 14 anos, estavam a caminho da Escola Municipal Professora Nany Benute e aguardavam o semáforo de pedestres ficar verde, quando um carro parou no farol amarelo e um caminhão do tipo Veículo Urbano de Carga (VUC), que estava atrás, não conseguiu frear e tombou, arrastando as meninas.

Conforme o Corpo de Bombeiros, o condutor, em choque, permaneceu no local para acionar o resgate e tentar prestar socorro às vítimas.

O veículo estava carregado de engradados com garrafas e latas de refrigerantes, que foram derramados sobre a pista. A Avenida Raimundo Pereira de Magalhães foi interditada para os trabalhos de resgate e perícia. Até as 10h30, ainda havia bloqueio e desvios do trânsito no local.

Funcionário de um estacionamento que fica em frente ao local do acidente, Antônio Barreto estava do outro lado da pista, aguardando para atravessar, e viu todo o desastre. "As meninas foram arrastadas pelo caminhão. Tentaram puxar a Júlia, mas ela ficou embaixo e infelizmente não conseguiu escapar", afirmou.

O pai de Júlia, Márcio Benedito Rocha, deixou a garota próximo a escola, como de costume, e disse que sempre aconselhou a filha a ter cuidado para atravessar a rua. "Uma fatalidade, infelizmente foi com a minha filha, única filha", afirmou Rocha.

As outras duas vítimas, Taíssa Rodrigues Munhoz e Isabella Oliveira Silva foram socorridas e levadas ao Hospital Geral de Taipas. Taissa já foi liberada e Isabella, transferida para realizar exame de tomografia no Hospital de Osasco.

Notícia



Sargento presta depoimento no terceiro dia de júri sobre chacina

O sargento da Polícia Militar Adriano Henrique Garcia, que chegou a ficar quatro meses preso por suspeita de participar da maior chacina de São Paulo, que terminou com 17 mortos em agosto de 2015, prestou depoimento sentado de frente para os jurados, que serão responsáveis por condenar ou não dois PMs e um GCM, réus no processo...