Operação no Rio foca bombeiros e empresários envolvidos em venda de alvarás

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir


Uma operação para prender 35 bombeiros e três empresários envolvidos em um esquema de propinas é realizada nesta terça-feira, 12, pelo Ministério Público e a Corregedoria Geral Unificada da Secretaria Estadual de Segurança do Rio de Janeiro. Os bombeiros, entre eles dez coronéis, são acusados de liberar alvarás e licenças de prédios comerciais em troca de pagamentos de R$ 750 a R$ 30 mil.

Conforme o MP, o grupo era liderado pelos coronéis bombeiros José Augusto da Cunha Bandeira e Ricardo Luiz Ferreira de Aguiar, que eram assessores especiais do comandante-geral do Corpo de Bombeiros. Eles nomeavam outros comandantes dispostos a participar do esquema de corrupção, de acordo com a denúncia. Já os empresários são sócios de empresas supostamente especializadas em regularizar a documentação de estabelecimentos comerciais.

Os alvarás eram liberados ou agilizados sem o cumprimento de todos os requisitos de segurança. Foram registrados casos em vários batalhões dos bombeiros no Estado, em especial em Nova Iguaçu e em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.

A Operação, batizada de Ingenium (engenharia, em latim), também cumpre 64 mandados de busca e apreensão desde o início do dia no Rio. O balanço das prisões e apreensões deve ser divulgado durante esta terça-feira.

Notícia



Sargento presta depoimento no terceiro dia de júri sobre chacina

O sargento da Polícia Militar Adriano Henrique Garcia, que chegou a ficar quatro meses preso por suspeita de participar da maior chacina de São Paulo, que terminou com 17 mortos em agosto de 2015, prestou depoimento sentado de frente para os jurados, que serão responsáveis por condenar ou não dois PMs e um GCM, réus no processo...