Argentina reduz tempo mínimo de permanência com títulos negociáveis para 3 dias

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir




O Ministério da Economia da Argentina anunciou nesta segunda-feira, 19, uma série de medidas voltadas para o mercado de capitais, com o objetivo de "favorecer" o processo de intermediação financeira e aumentar a liquidez dos instrumentos locais. Em nota, o governo de Alberto Fernández informou que a Comissão Nacional de Valores (CNV) reduziu para 3 dias o chamado "parking", que é o tempo mínimo de permanência com valores mobiliários - ou seja, o período mínimo entre a compra e a venda de um título. Além disso, o país irá emitir US$ 750 milhões em dívida entre os dias 9 e 10 de novembro.

De acordo com o jornal La Nación, os prazos anteriores para o "parking" eram de 5 dias para residentes no país e de 15 dias para não residentes. A partir de agora, o tempo mínimo será de 3 dias para todos.

"Em suma, esse conjunto de ações possibilitará dotar o mercado financeiro de maior previsibilidade e volume, interagindo de forma virtuosa com a geração de uma trajetória econômica consistente e sustentável", diz o documento divulgado pelo Ministério da Economia, que é comandado por Martín Guzmán. O órgão também adiantou que o Banco Central da República da Argentina (BCRA) irá alterar regras para "promover o funcionamento de emissões locais nos mercados regulamentados argentinos".

O Ministério destacou que tem observado uma "deterioração das expectativas" nas últimas semanas no país, mas que tem "trabalhado firmemente" no refinanciamento da dívida com órgãos multilaterais de crédito. "No processo mencionado, o diálogo com o FMI Fundo Monetário Internacional encontra-se em fase de interação construtiva", diz outro trecho do documento.

Notícia



Até 15 milhões de brasileiros devem buscar emprego no pós-pandemia

O governo brasileiro deveria investir recursos em um amplo programa para auxiliar a reinserção de até 15 milhões de trabalhadores no mercado durante a retomada pós-pandemia, defende o economista Ricardo Paes de Barros, pesquisador do Insper e estudioso da desigualdade no País...