Perda de anunciantes do Facebook chega a Ford e Microsoft e pode afetar imagem

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir




A Ford, a Microsoft e a varejista americana BestBuy se juntaram, nesta segunda-feira, 29, a um grupo de grandes corporações que decidiu suspender seus anúncios nas redes sociais do Facebook - além da plataforma que lhe dá nome, a empresa de Mark Zuckerberg também é dona do Instagram. Com isso, ganha força o movimento que pede explicações a respeito da disseminação de discursos de ódio dentro das redes sociais.

Para analistas, o movimento, que já tem a adesão de nomes como Unilever, Coca-Cola e Verizon, ainda tem pouco impacto nas finanças da companhia de Zuckerberg, mas poderá afetar dramaticamente sua imagem num futuro próximo. Ontem, as ações do Facebook tiveram alta de 2,11%, recuperando parte das perdas da última sexta-feira, quando os papéis da empresa tiveram queda de 8%.

Na tarde desta segunda-feira, Best Buy e Ford anunciaram que decidiram suspender durante um mês a veiculação de anúncios no Facebook dentro do território americano. A Ford também ampliou sua decisão para o Twitter e um porta-voz da montadora disse que a empresa está "avaliando esses gastos em outras regiões", bem como discutindo sua presença em todas as plataformas do tipo.

Segundo o portal de tecnologia Axios, que teve acesso a um documento interno da Microsoft, a gigante de tecnologia também decidiu suspender seus anúncios no Facebook e no Instagram, após executivos levantarem preocupações não com as políticas do Facebook, mas sim com "aonde sua marca é exibida", estando próxima a publicações de discurso de ódio, pornografia e conteúdo de terroristas. Durante o final de semana, empresas como Starbucks e a fabricante de bebidas Diageo anunciaram postura semelhante. Além disso, a GM disse que vai "rever" suas posturas de marketing.

Por enquanto, o impacto financeiro do boicote ao Facebook ainda é pequeno - uma estimativa da agência Bloomberg mostra que, caso 25 dos 100 maiores anunciantes da empresa suspendam suas propagandas, o impacto será de US$ 250 milhões nos resultados do terceiro trimestre. Se esse número subir para 50 empresas, será de US$ 500 milhões. É uma quantia considerável, mas ainda pequena ao se considerar que o Facebook faturou US$ 17,7 bilhões no primeiro trimestre de 2020.

No entanto, na visão de analistas, o efeito de eco dos anúncios poderá afetar a empresa num futuro próximo. "Dada a quantidade de ruído após o posicionamento da empresa, haverá impacto significativo no negócio do Facebook", disse Bradley Gastwirth, da corretora Wedbush Securities, em nota a investidores. "O Facebook precisa cuidar desse assunto rapidamente antes que ele entre numa espiral fora de controle."

Para Mark Shmulik, da consultoria Bernstein Securities, o ambiente atual, especialmente após as manifestações antirracismo nos EUA, tem um comportamento diferente: "marcas que não se engajam no boicote podem soar cúmplices a essas posturas", afirmou ele em nota.

Na última sexta-feira, a empresa anunciou uma série de mudanças em suas políticas e práticas quanto à liberdade de expressão, alterando regras para considerar que uma publicação seja considerada discurso de ódio. Outra medida foi a de passar a exibir um selo em publicações de políticos que violem as práticas da plataforma - por seu interesse público, porém, as publicações serão mantidas, afirmou Mark Zuckerberg. Na visão de grupos ativistas, porém, as mudanças foram irrisórias. (Com agências internacionais)

Notícia



Ipea diz que efeitos da pandemia tendem a persistir sobre mercado de trabalho

O pior momento da crise provocada pela pandemia do novo coronavírus sobre a atividade econômica já teria passado, mas os efeitos adversos sobre o mercado de trabalho tendem a persistir durante algum tempo, segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea)...