Idosa de 87 anos confecciona máscaras para doar para população

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir


Em meio à pandemia do novo coronavírus, um dos produtos mais procurados pela população são as máscaras cirúrgicas. Por recomendação de organizações da área da saúde, o item deve ser usado apenas por grupos específicos. Ainda assim, o produto está em falta em vários locais, e algumas pessoas começaram a produzir máscaras em casa.

É o caso de Renatha Maria Vieira da Costa, professora formada em biologia e engenharia civil, que pediu para a avó, Bernarda Alves da Costa, de 87 anos, costurar máscaras feitas a partir de TNT, que são impermeabilizadas.

Renatha, que mora em Santa Quitéria do Maranhão, relata que a ideia veio após o sumiço das máscaras nas lojas de Parnaíba, onde trabalha. Médicos da cidade ensinaram ela e outras pessoas a fazer máscaras caseiras, e ela teve a ideia de produzir para distribuir em Santa Quitéria, que também está sem o produto. "Minha avó aceitou desde que as máscaras fossem doadas para os idosos da cidade", lembra Renata.

Apenas com a avó foram produzidas cerca de 20 máscaras em um dia, mas a ação chamou atenção e outras costureiras decidiram ajudar. Sobre a avó, Renata comenta que a avó tem a costura como distração: "a costura é por hobby, ela passou a vida costurando. Ela já não enxerga bem, mas ainda costura. A gente coloca a linha na agulha e ela fica costurando".

Quando usar máscara?

A infectologista Raquel Muarrek, que atua na rede D'ior, explica que apenas pessoas com sintomas associados a covid-19 devem usar máscaras para evitar passar o novo coronavírus para outras pessoas. Profissionais da saúde também devem usar o produto.

Para aqueles sem sintomas, porém, a principal recomendação é ficar em casa e higienizar as mãos com água e sabão ou álcool em gel. Pessoas que não apresentam sintomas não precisam usar máscara.

A médica explica que o tecido ideal para máscaras é o algodão grosso, usado nas máscaras hospitalares. Tecidos e outros materiais podem oferecer proteção, mas Raquel destaca que será menor do que a oferecida por máscaras de algodão.

Além disso, a infectologista ressalta: "deve-se ficar atento a lesões, fissuras e desgastes na máscara, pois aí pode ocorrer contaminação". É necessário também que a máscara seja trocada com frequência, em especial se ficar úmida.

Notícia



Festival de Jazz na sala de casa

No ano em que a música parou, a música ao vivo, um jejum inédito que nem a Segunda Grande Guerra provocou, companhias seguem abrindo seus arquivos de forma gratuita...