'Nossas instituições devem ser honradas', diz Gilmar Mendes

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir


O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes afirmou nesta quarta-feira, 26, que as instituições brasileiras devem ser "honradas por aqueles aos quais incumbe guardá-las". Na terça, o jornal O Estado de S. Paulo revelou que o presidente Jair Bolsonaro compartilhou, pelo WhatsApp, vídeos de convocação para protestos de teor anti-Congresso Nacional.

Sem citar o caso nominalmente, o ministro do Supremo afirma que a "harmonia e o respeito" entre os Poderes são pilares do Estado democrático de Direito. "Independentemente dos governantes de hoje ou de amanhã", afirma.

"A CF88 (Constituição Federal de 88) garantiu o nosso maior período de estabilidade democrática. A harmonia e o respeito mútuo entre os Poderes são pilares do Estado de Direito, independentemente dos governantes de hoje ou de amanhã. Nossas instituições devem ser honradas por aqueles aos quais incumbe guardá-las", escreveu Gilmar Mendes.

O vídeo compartilhado por Bolsonaro exibe a facada que o então candidato à Presidência sofreu em Juiz de Fora (MG) em setembro de 2018, para dizer que o presidente "quase morreu" para defender o País e que agora precisa "que as pessoas vão às ruas para defendê-lo". A mensagem que acompanha o vídeo afirma: "- 15 de março/Gen Heleno/Cap Bolsonaro/O Brasil é nosso, não dos políticos de sempre".

Mais cedo, Bolsonaro respondeu às manifestações contrárias à divulgação do vídeo afirmando se tratar de "troca de mensagens de cunho pessoal, de forma reservada". "Qualquer ilação fora desse contexto são tentativas rasteiras de tumultuar a República", afirmou.

Notícia



'Não é hora agora de gerar instabilidade na política', diz Maia

Em teleconferência com o Bradesco BBI na manhã desta quarta-feira, dia 1º, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), mandou um recado ao presidente Jair Bolsonaro, ao dizer que neste momento de crise aguda, com o avanço do novo coronavírus no País, "não é hora de gerar instabilidade na política e no setor produtivo"...