Juros sobem com piora da percepção de risco político após libertação de Lula

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir




Após encerrarem a sessão regular desta sexta-feira com viés de alta, mais nítido nos contratos de curto e médio prazos, os juros futuros aceleraram o avanço e renovaram máximas na etapa estendida. O movimento foi uma reação à informação de que a Justiça deu aval para a soltura do ex-presidente Lula, divulgada no intervalo entre as duas sessões e que imediatamente ampliou as perdas da Bolsa e do câmbio. O efeito da notícia na curva a termo, cabe ressaltar, não teve a intensidade vista nos demais ativos.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2021 fechou a sessão regular em 4,55% e a estendida em 4,57%, de 4,539% na quinta no ajuste. A do DI para janeiro de 2023 subiu de 5,621% para 5,66% na regular e 5,68% na estendida. A taxa do DI para janeiro de 2025 encerrou em 6,25% (regular) e 6,27% (estendida), de 6,21%, e a do DI para janeiro de 2027 fechou em 6,58% a regular e em 6,61% a estendida, de 6,541% no ajuste.

A semana foi de recomposição de prêmios na curva, com as taxas intermediárias e longas em alta de cerca de 30 pontos-base. Nos últimos dias, uma série de fatores contribuiu para a realização de lucros nas taxas, que vinham renovando mínimas históricas, o que deixou espaço para correção.

Na terça-feira, a ata do Copom reforçou a ideia de que o ciclo de afrouxamento monetário está perto do fim e, na sequência, na quarta, veio a frustração com a participação de estrangeiros no leilão da cessão onerosa. Quinta, o IPCA de outubro ficou acima da mediana das estimativas e, à noite, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu derrubar a prisão em segunda instância, abrindo caminho para a soltura de Lula, autorizada nesta sexta-feira. O presidente deixou a sede da Polícia Federal em Curitiba, onde estava preso desde 7 de abril de 2018, pouco depois das 17h30.

Por ser considerada "pedra cantada" desde que o STF iniciou o julgamento da questão da segunda instância, a libertação de Lula teve impacto moderado nos DIs, mais pelo risco de atraso na agenda de reformas e alguma cautela com aumento da polarização. Já há protestos marcados para este sábado. "Vejo o mercado mais preocupado com a suspeição de Moro, o que seria uma afronta à Lava Jato", opinou o economista-chefe da Necton Investimentos, André Perfeito.

Ao longo da sessão, o câmbio exerceu alguma pressão sobre as taxas, com ajuste moderado na ponta curta e miolo da curva, enquanto os longos ficaram bem comportados, fechando a sessão regular praticamente de lado. Rogério Braga, diretor de Gestão de Renda Fixa e Multimercados, explica que o potencial de abertura das taxas até o trecho intermediário é restrito, na medida em que o Copom já sinalizou que vai cortar a Selic até pelo menos 4,5%. "Os longos sofreram pouco com o dólar porque a dinâmica do câmbio não é em função da piora de percepção de risco ou de fundamentos, e sim pela decepção com fluxo de estrangeiro no leilão da cessão onerosa", afirmou.

Notícia



Bolsas de NY fecham em queda após anúncio de pronunciamento de Trump sobre China

As bolsas de Nova York, que passaram boa parte do pregão em alta nesta quinta-feira, 28, inverteram o sinal nos últimos minutos de negociação e fecharam em queda, após o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciar que fará uma coletiva de imprensa nesta sexta-feira, 29, para falar sobre a China...